quinta-feira, 24 de maio de 2012

Ao Arthur

Este sobrinho que vos conto
Tinha os seus 4 anos
Quando resolvi apresentar-lhe um livro
Nele continha fotos de anfíbios anuros
sapos, rãs e pererecas
Logo o chamo
Arthur vem cá ver um livro de pererecas
Ele com aquela esperteza só dele
Olhando para mim com seu sorriso maroto e disse:
Perereca de mulher, tio.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Dando a volta no marido

A mulher descobri pela filha
que o marido a traia pelo facebook
Com as artimanhas femininas
ela cria um perfil falso
enviando-o um convite
Marido sabe como é
tonto de dar dó
caiu na arapuca
Toda dengosa e maledecente
covence-o de ficar pelado
Ele de florete na mão
diante de uma webcam
Ela, entra no quarto e diz
Oi querido aqui é a Josefina
Tamancos para o alto
E eu rindo desse causo

terça-feira, 22 de maio de 2012

Uma vez biólogo


Fui aluno de poucas palavras
A história consumia meus pensamentos
Aquele imaginar infantil
Transportava-me para lugares que nunca conheceria
A vida mudou de rumo
Ou eu mudei de rumo
Os seres vivos tomaram conta
Herpetólogo considerei-me um breve dia
E como era bom escutar o canto dos sapos
E assim dá-lhes nomes científicos
Guardei tudo na memória afetiva